O assunto do momento sem dúvidas é a nova série da Netflix, “13 Reasons Why”, que além de trazer muita polêmica retrata situações que acontecem no nosso dia-a-dia.

Para quem ainda não assistiu, a série conta a história de Hannah Baker, uma jovem de 17 anos que se depara com um mundo onde acredita que não vale a pena viver. Antes de tirar a própria vida, a menina gravou 13 fitas explicando os porquês de cometer tal ato. Nessas fitas, poderemos acompanhar com Clay (amigo da Hannah e um dos porquês), tudo aquilo que a sociedade tenta esconder: machismo, estupro, assédio, drogas, homofobia, preconceitos, intolerância… Enfim, são muitos.

Após assistir a série tive vários questionamentos e críticas sociais que devem ser discutidas e são abafadas, seja na mídia, na escola e até mesmo em casa. Como os famosos “tabus” impostos, mascarados de preconceitos.

Crescemos num mundo onde há opressão por todos os lados. Somos atacados apenas por sair nas ruas. No colégio, faculdade, trabalho, em casa, esta realidade não se torna diferente. Se você não está dentro de determinados padrões, provavelmente sofrerá por assédios morais e físicos, o tão falado “bullying”, que pouco é discutido na mídia e atualmente é visto como um termo “modinha”.

Hannah encontra-se viva em todas as pessoas, principalmente mulheres, que sofrem diariamente pela desigualdade e por serem elas mesmas num mundo machista e misógino.

Não pertencer a nenhum padrão social, faz com que ser diferente seja motivo para ser excluído. A questão que devemos ter em mente, é em quantas vezes na vida deixamos de ser Hannah e nos tornamos um ou mais dos “porquês”. Assim como temos nossas dores ao mesmo tempo causamos.

O suicídio é uma realidade da juventude que não deve ser ignorado e muito menos romantizado. Seu amigo, vizinho ou algum familiar pode estar passando por isso. A série aborda o tema de forma explícita, deixando claro que nem sempre o amor consegue salvar uma vida. Ela amava o Clay, porém estava quebrada demais para continuar seguindo e acreditando que algo poderia ser diferentes. Não se pode julgar as dores do outro.

A dica que deixo é além de levar para a vida aquilo que 13 Reasons Why mostra e pensar em quantas coisas devemos desconstruir em nós mesmos. Conseguir cuidar das pessoas que estão em nossa volta e não nos silenciar. Se libertar de dos preconceitos enraizados e principalmente, ter em mente que nem tudo o que dizemos e fazemos ao próximo é brincadeira! PAZ!