Um festival para se guardar na memória, definitivamente. O Lollapalooza Brasil desta edição ganhou patamares e públicos nunca antes vistos, com gente que talvez nunca deva ter pisado no chão desse evento e olha, a repercussão até que foi super positiva. A edição de 2017 foi marcada por mais um ponto positivo, ela obteve recorde de público, ganhando o posto de ter sido o maior e com mais gente reunida nos dois dias, de toda sua história aqui no Brasil.

Não é a toa que, devido a altíssima demanda, acabam ocorrendo alguns pequenos imprevistos ou situações desagradáveis que acabam atrapalhando um pouco a experiência de quem está presenciando aquilo (as vezes até pela primeira vez), mas ao mesmo tempo tudo é recompensado com alta qualidade de estrutura dos palcos, todo o entretenimento que você tem muito bem distribuídos no autódromo e claro, as cerejas desse bolo enorme, OS MARAVILHOSOS SHOWS.

Foto: I Hate Flash

A edição histórica de 2017 teve atrações de peso como Metallica, The Chainsmokers, The XX, Two Doors Cinema Club, Martin Garrix, The Weeknd, NERVO,entre muitos outros que certamente você pulou, gritou e chorou nos palcos em que eles, se apresentaram. Se liga!

 

Primeiro dia: Muitas atrações brazucas, euforia e encerramento histórico com Metallica.

Fotos: I Hate Flash

O primeiro dia de apresentações ficou certamente marcado pelas surpresas, a galera conhecendo o evento e vendo todos os brinquedos, as coisas novas que essa edição proporcionava e ainda por cima, com as atrações mais aguarda

das pulando e agitando a galera, nos 4 palcos do festival.

O sabadão começou com duas atrações brasileiras muito bem faladas atualmente. Jaloo no palco Axe e Ricci no palco Perry, já começaram a esquentar a pista, fazer a galera pular. Mais tarde, outras atrações brazucas entraram e tomaram conta do lugar como Suricato, Baiana System, Victor Ruiz e Haikass, dando lugar mais tarde as atrações de maior renome, no entardecer. Antes ainda do Sol cair, Tchami, Tegan and Sara, Rancid, Cage the Elephant, The 1975 e Don Diablo, chegaram com t

udo em seus respectivos palcos, deixando a galera eufórica.
A noite chegou e as atrações mais aguardadas começaram a aparecer. Tove Lo fez sua apresentação no palco Axe e levantou geral com seus hits, já Marshmello, no palco Perry, chegou com tudo também e arrancou lágrimas da galera com mais uma apresentação maravilhosa. As últimas atrações da noite ficaram por conta de

G-Eazy no Perry, The Chainsmokers no Axe e a tão esperada por todos, a banda Metallica, que pegou o palco Skol e com duas horas de apresentação, conseguiu tocar todos os seus hits, animando e quebrando tudo com sua incrível força.

Foto: I Hate Flash

 

Segundo dia: Recorde de público confirmado, polêmicas e um combo de atrações poderosas no encerramento.

Fotos: I Hate Flash

O segundo dia, com toda aquela euforia ainda do primeiro, já começou pegando fogo também. Tivemos mais uma vez na abertura dos palcos, atrações brazucas dando as boas vindas ao público. Bratislava, Céu, Daniel Groove e Gabriel Boni, levantaram a galera nas primeiras horas e representaram super bem nosso país tupiniquim.

Mais tarde, Vance Joy, Catfish and the Bottlemen, Jimmy Eat World, Chemical Surf, e vários outros já começaram a dar um gás maior ainda ao festival que, horas depois, já teriam ainda mais atrações de peso, pisando nos respectivos palcos. Borgore, Duran Duran, Silversun Pickups, Two Doors Cinema Club, GRiZ, MØ e Oliver Heldens CAUSARAM e quebraram tudo, mostrando a todos o por que de seus nomes estarem na lista das atrações mais aguardadas do dia.

A noite chegou e a expectativa dos fãs em ver aquele seu artista bem de pertinho, estava aumentando cada vez mais. Foi aí que finalmente entraram no palco The Weeknd, Melanie Martinez, NERVO, Flume, The Strokes e o DJ #1 do mundo Martin Garrix, transformando e fazendo dessa edição, um dos melhores senão O MELHOR de sua rica história.

Foto: I Hate Flash

Tivemos uma incrível experiência esse ano, conseguindo aliar juventude com experiência, bandas icônicas com artistas que estão apenas começando. Em mais uma edição, o Lollapalooza mostrou diversidade, tolerância ZERO contra qualquer preconceito e definitivamente, abrindo espaço e abraçando todos os gostos, cores, credos, costumes, e tudo que faz com que ele seja incrivelmente único. A edição de 2017 bateu recorde de público, fazendo com que esse posto de “melhor edição da história” fosse confirmado e registrado até em números, provando por A mais B que ele é um dos melhores festivais que passam por aqui e precisam sempre ser enaltecidos.

E agora bate a bad pós festival, dá aquela saudade mas ai já nos alegra de novo em saber que ano que vem tem muito mais. QUE VENHA 2018! <3
PS: Curtam a página da I Hate Flash no Facebook que eles fazem um trabalho incrível não só pro Lollapalooza Brasil mas para uma série de festivais, festas e eventos. Segue lá!