ujQlT2UBhbs

A primeira parte de nossa cobertura referente a edição de 2017 de um dos maiores festivais do mundo, o majestoso Rock in Rio, começa abordando principalmente a forma como eles conseguiram levar o primeiro final de semana de atrações sem um de seus principais headliners. Lady Gaga iria iniciar os trabalhos e infelizmente por problemas médicos não pôde comparecer ao primeiro dia de shows, deixando milhares de fãs com um sentimento misturado (metade raiva e a outra triste).

Para então suprir de alguma forma esse “buraco” inesperado, a organização decidiu de última hora convocar Maroon 5, que já seriam os naturais “próximos” headliners (segundo dia), então, para quem já curte a banda e por ventura acabou até comprando os dois primeiros dias (e sim, acredite, teve muita gente que fez isso até porque não é todo dia que tem Gaga aqui também, né non?), tiveram essa sorte em dobro e puderam ver eles por duas vezes, rs (bizarro, mas infelizmente não tinha muito o que se fazer mesmo. Convenhamos que era melhor do que não ter absolutamente ninguém no lugar).

DIA 1                              nota geral: 7.5


Palavra que define o dia: SURPRESA!

O primeiro dia de atrações então, depois que Lady Gaga foi confirmada como a principal ausência, era inevitável aquela expectativa de imaginar como seria esse dia “órfão” de headliner, porém, Maroon 5 acabou dando conta (e muita conta) do recado e com isso, todas as surpresas que envolveram aquela sexta (15), foram positivas e fizeram com que o esse “start” para o festival começar, fosse com o pé direito.

De um modo geral, o dia 1 do Rock in Rio foi bem interessante pois logo de cara tivemos uma mistura envolvente de samba, mpb, axé, e foi mudando de forma gradativa para o eletrônico e o pop rock, ao final da noite, agradando a gregos e troianos de uma maneira bem interativa. Essa “passagem de bastão” do palco sunset para o mundo (coisa que tradicionalmente sempre vemos e nessa edição não foi diferente), já começou com tudo e de uma forma natural e bem nítida, fazendo com que a galera curtisse a ótimos artistas primeiro no palco mais alternativo, migrando assim que começasse a queima de fogos para o início da jornada lá no principal palco com uma surpresa inesperada (o discurso da maravilhosa Gisele Bündchen se referindo a Amazônia, abrindo de fato, essa edição de 2017 de forma majestosa e ainda com direito a dueto com uma das estrelas da noite, Ivete Sangalo ❤).

 

Gisele Bündchen e Ivete Sangalo / Créditos: Alexandre Durão – G1

O primeiro dia terminou de forma triunfal com Pet Shop Boys arrasando com seus hits nostálgicos, a garotada do 5 Seconds of Summer levantando geral e claro, a cereja do bolo, Maroon 5, que acabou no final das contas até surpreendendo aos fãs da Lady Gaga e fez levantar aquele palco até a última música. Simplesmente incrível!

 


 

DIA 2                              nota geral: 9.5


Palavra que define o dia: COMPROVAÇÃO!

O segundo dia de shows começa e com ele, toda a ansiedade do povo em saber se ele realmente iria comprovar o título de “MELHOR DO PRIMEIRO FDS” simplesmente por ter sido um dos primeiros dias a se esgotarem de forma absurda no site, acabando seus ingressos em apenas alguns minutos (chocante! Será que vai ser bom assim mesmo?).

Pois bem, e logo de cara já adiantamos que SIM, foi um dos melhores e mais esperados dias e não a toa, fez por merecer esse rótulo. Nos primeiros shows já tivemos uma aula de inclusão, diversidade e representatividade com uma das bandas nacionais mais nostálgicas, a Blitz, e logo após com a nossa rainha Elza Soares, ressaltando e lembrando mais uma vez para os desavisados de plantão como uma mulher deve se comportar e principalmente aonde deve ser o lugar dela (AONDE ELA QUISER E COMO ELA QUISER! 😉). Um belíssimo show com ótimas participações, em ambas apresentações, deixando a galera do Rock in Rio completamente feliz e preparada para o que ainda estaria por vir.

A noite caiu e o palco Mundo começou a ser aberto para mais uma surra de shows com muita qualidade e empolgação. Logo de cara já pudermos presenciar aos sempre vivos e agitados do Skank, que fizeram com que a galera pulasse até o fim de cada música, fazendo assim mais uma memorável apresentação no festival (eles já se sentem muito em casa tocando no RiR). A banda brasileira aqueceu os motores para os 3 shows gringos que viriam logo menos e claro, os fãs foram enchendo cada vez mais o espaço dedicado ao palco mais chique e badalado do Rock in Rio. Sai uma banda veterana e entra então uma novidade, um estreante de festival e que antes dessa apresentação ainda não tinha tocado para um público tão gigante como ele teve naquele sábado, estamos falando é claro do lindo do Shawn Mendes. O garoto já começou explodindo com a mais nova “There’s Nothing Holdin’ Me Back” fazendo a galera já chorar no primeiro hit (mandou bem demais).

 

 

Mesmo sem ficar pulando que nem louco ou querer aparecer mais que suas músicas para tentar levantar o público com isso, ele foi “ele mesmo” e com aquele jeitinho todo calmo e meigo, ganhou toda a galera, ganhando até o honorário título de uma das melhores apresentações, se não A MELHOR, de toda a edição de 2017 (ficou com moral, hein? Melhor estreia que essa, impossível).

Shawn Mendes / Créditos: Fábio Tito – G1

Finalizando o segundo dia, tivemos agora sim, na minha opinião O SHOW MAIS IMPRESSIONANTE E MAIS IMPREVISÍVEL dessa edição, que foi O TOMBAMENTO E LACRE ABSOLUTO DA DIVA FERGIE. A musa deixou todo mundo boquiaberto com sua já conhecida beleza estonteante, porém, mais do que isso, sua vitalidade, pois no auge de seus 42 anos, ela não parava de pular, cantar, dançar, e deixou muita gente no chinelo com um hit atrás do outro (ERA POP QUE VCS QUERIAM BEBÊ? ENTÃO TOMA!). Ela simplesmente PISOU em quem ainda duvidava se seria uma apresentação legal ou não, e ainda pra carimbar com chave de ouro, convidou ninguém menos que uma das Drag Queen mais famosas atualmente da música pop nacional, Pabllo Vittar, para um belo dueto dividindo o palco em 2 músicas: “Glamorous” e um pedaço de sua própria música, a “Sua Cara”, feita em parceria com Major Lazer e Anitta (simplesmente levou o público a loucura, parecendo que a qualquer momento iriam até invadir de tantos gritos e aplausos! Geral ficou 😱). Depois disso, ela fez um ótimo medley com aproximadamente 11 músicas de sua antiga e nostálgica banda “The Black Eyed Peas” onde ali acabou encerrando de forma absolutamente inesquecível sua apresentação triunfal.

 

 

Se já não bastasse essa chuva de lacres, ainda teríamos a banda Maroon 5, que no primeiro dia já quebrou todo o palco e agora finalmente diante de seus fãs, fez o show que todos gostariam de presenciar, com o Adam Levine claramente mais a vontade com seu próprio público, e desde o começo mais empolgado e fazendo uma de suas marcas, arrancando a camiseta e tocando sua apresentação da metade pro final, dessa forma (agora sim, finalmente ❤).

 

DIA 3                              nota geral: 8.5


Palavra que define o dia: EMOÇÃO!

O terceiro dia de atrações veio pra literalmente fechar com chave de ouro ao primeiro final de semana do Lolla. Muitas pessoas disseram que as atrações desse dia não estavam tão marcantes quanto os outros dias, porém, tínhamos certeza que o show que os artistas desse dia iria fazer, certamente seriam de total qualidade e emoção (e acertamos nisso).

Desde o começo, com as atrações nacionais que explodem lá no palco Sunset, já pudermos presenciar muita alegria e talento em cena. Os musos Liniker, Johnny Hooker, Almério e logo depois a diva Maria Rita, fizeram baitas apresentações e carregadas todas com muita emoção e carinho. O show de Liniker inclusive, PISOU com muita representatividade e ressaltando sempre a belíssima frase que deveria ser slogan do mundo inteiro: “amar sem temer”.

 

 

As manifestações contra o governo migraram do palco Sunset e foram carro chefe do primeiro show do Mundo com o maestro Frejat, que abriu os trabalhos do principal palco de uma maneira pesada e com aquele rock n’ roll na veia. Logo após, tivemos a presença ilustre da banda “Walk The Moon” que vieram com tudo e representaram pra caralho e botaram mais fogo no público que ainda estava esperando ansiosamente as duas últimas apresentações.

As principais atrações finalmente começaram e temos que confessar que fomos plenamente surpreendidos com a majestosa apresentação de Alicia Keys, que obviamente já esperávamos que seria uma linda atração, mas do que jeito que foi, carregado lindamente de emoção do começo ao fim, nem o fã mais otimista imaginaria.

Alicia Keys encantando / Créditos: Fábio Tito G1

Ela trouxe uma pajé ao palco para mais uma vez lembrarmos da barbárie que estão fazendo todos os dias com a nossa Amazônia, ela convidou o “Dream Team do Passinho” para cantar uma outra canção e a cada música, a cada atração convidada, e como ela levou todos nós ao final de seu show, com certeza nos surpreenderam de forma muito positiva e extraordinária.

 

 

Logo após o show de Alicia, finalmente o show de Justin Timberlake, o mais aguardado da noite, começou e já quebrando tudo. Como um todo, foi um ótimo show, porém, digamos que nada saiu do esperado e ele conseguiu levar sua apresentação sem riscos ou mudanças bruscas em comparação com as outras que ele faz e inclusive já fez em 2013, no mesmo Rock in Rio. Com algumas mudanças claro, uma música nova ou outra, mas, muito carregado de emoção no começo, principalmente no fim, onde conseguiu levantar a galera em alguns pontos estratégicos e sim, foi um belo show mesmo assim. O ponto alto de sua performance com certeza foi o final, onde ele cantou o hit “Mirrors” e literalmente foi pra galera:

 

Ver o Justin Timberlake visivelmente emocional é algo inesquecível e definitivamente fechou esse primeiro final de semana da melhor forma possível. ❤

 

Por fim, nossa conclusão sobre o primeiro final de semana podemos dizer que foi a junção das 3 palavras que representaram todos os 3 dias. Tivemos surpresas, muitas até positivas, comprovações de shows que sabíamos que ia dar certo, e claro, CARREGADO de emoção e alegria, fazendo com que mais uma edição do melhor festival do mundo começasse de forma brilhante. Foi extraordinário estar lá, pisar no nova Cidade do Rock e fazer parte de tudo isso (e ainda tem mais… amanhã iremos mostrar a segunda parte do especial que fizemos sobre o Rock in Rio! Até mais ❤).

 

Créditos: Multishow / G1 / UOL / RockinRio