Ak7Pe3jD3XM

Assistimos ao filme “Detroit em Rebelião“ que é baseado em fatos reais e estreia no dia 12 desse mês. O longa-metragem conta com um elenco de nomes e rostos conhecidos, com John Boyega (Star Wars: O despertar da força), Will Poulter (Maze Runner: Correr ou Morrer), Hannah Murray (Game of Thrones), Anthony Mackie (Capitão América: O Soldado Invernal) e Tyler James Williams (Todo Mundo Odeia o Chris). Dirigido pela cineasta Kathryn Bigelow (Guerra ao terror).

Trama


O longa conta a história de um dos maiores distúrbios raciais na história norte-americana. Bigelow nos traz uma atmosfera cheia de tensão, jogando o espectador na zona de guerra em que se encontrava a cidade de Detroit em 1967.

Nas cenas iniciais, entendemos o motivo dessa tensão, quando a população local se revolta com uma ação policial violenta, onde diversas pessoas afro-americanas foram levadas de uma festa para a delegacia. Cansados da segregação social existente na cidade, os cidadãos negros da região, começaram a incendiar prédios, carros, saquear lojas e reagir com violência ás investidas policiais. Sendo necessário a ajuda de militares para tentar controlar a revolta que estava ocorrendo.

O foco principal do filme acontece no Algiers Motel, onde policiais, torturaram fisicamente e psicologicamente jovens negros e também jovens brancas que ali estavam junto aos negros, sendo executados três afro-americanos naquela noite.

 

Atuações


O policial racista Krauss, vivido por Will Poulter, que é o principal culpado pelo incidente no motel, nos mostra um ator que parece que nasceu para papéis típicos de vilões, nos apresenta uma atuação muito segura, ele nos faz acreditar que odeia negros (mas claro isso foi só para o papel).

Já o jovem ator John Boyega, atua de forma muito sólida com o pouco espaço que teve, um ator que atua com os olhos, cada expressão era como sentir a raiva, tristeza que ele passava, conseguindo passar toda a carga tensa que o personagem tem. Ele vive o segurança chamado Melvin Dismukes, que se vê ao lado dos policiais racistas, mas, acaba não podendo fazer muita coisa para ajudar aqueles jovens.

Considerações finais


O filme perto do final, perde um pouco daquela atmosfera tensa que nos prende a cada minuto. Mas isso não faz com que a qualidade diminua.

Falando sobre um tema sensível, que até nos dias de hoje se revela como uma mancha na história da humanidade, de forma crua, realista, sem se dar ao luxo de poupar nas cenas mais tensas, “Detroit em Rebelião” consegue ser um dos melhores filmes de 2017.

Tensão à flor da pele, em "Detroit em Rebelião"
HistóriaDireção
9Incrível
História10
Elenco8.5
Roteiro8
Direção9.5
Votação do leitor 0 Votos
0.0