Filme surpreende por história objetiva e envolvente


Este ano, a Netflix decidiu investir pesado em produções adaptadas baseadas em contos do mestre Stephen King, mas nem todas têm sido tão elogiados quanto ao mais recente “1922”, liberado em 20 de Outubro na plataforma.

Dirigido por Zak Hilditch, o filme conta a história da família James, e a divergência de opiniões que resulta em um crime de assassinato.

Arlette (Molly Parker) herdou um pedaço de terra de seu falecido pai, e decide imediatamente vendê-la, assim como a propriedade de seu marido Wilfred (Thomas Jane), para que pudesse montar sua própria boutique na cidade e se livrar da vida no campo. A decisão não é apoiada pelo marido, que não pretende abandonar as terras com a esposa e Henry, filho adolescente (Dylan Schmid), que se apaixona pela vizinha e teme ter que se separar dela com a mudança.

O pai enxerga a resistência do garoto e propõe que se una a ele em um plano macabro para se livrar da mulher e continuar vivendo na propriedade.

O filme é narrado pelo próprio fazendeiro, que desde o início do longa escreve sua confissão dos fatos que ocorreram neste ano de 1922, relembrando todos os momentos vividos na casa e as consequências que vieram a seguir.

A produção é objetiva, e a história não se arrasta. O espectador é contemplado com um enredo interessante, e muito bem contado, com cenas chocantes e clima de tensão crescente.

A forma como Wilfred toma sua decisão e envolve o garoto na morte da própria mãe demonstra ódio e frieza, principalmente quando pensa em cada detalhe que possa parecer incriminador, na tentativa calculista de sair impune e cuidar das terras ao lado do filho. Mas, o que ele não espera, são os acontecimentos seguintes que vão perturbar a paz,  a relação com o filho e sua sanidade.

“Esse é o filme que vocês tem que ficar esperando. Eu vi um corte inicial do filme, ele não sai da minha cabeça! É muito assustador”, contou King. “Eu não sei se essa onda de adaptações é aleatória ou não, mas realmente tem me animado”.

O conto é a primeira história do livro “Escuridão total sem estrelas, publicado em 2015.

escuridao-total-sem-estrelas-stephen-king-suma-de-letras-feat

Confira o trailer legendado:

Avaliação: 1922
EnvolventeClima de tensão bem desenvolvido Final impactante Maquiagem
9.2Pontuação geral
História 8.6
Atuações 8.6
Cenário 8
Desenvolvimento 10
Fator surpresa10
Adaptação 10
Votação do leitor 0 Votos
0.0